O Covid-19 (coronavírus) pode afetar seus planos de viagem. Seja qual for seu destino, veja aqui as últimas recomendações.

Noticias Inspiração Chapadas brasileiras: quais são, como chegar e outras dicas

Todos os artigos

Chapadas brasileiras: quais são, como chegar e outras dicas

Destino dos sonhos de qualquer amante do ecoturismo, as Chapadas são formações típicas brasileiras. Descubra cachoeiras e trilhas nas 7 Chapadas do Brasil, escolha a que mais combina com você e ponha o pé na estrada!

Poucos países no mundo tem um ecossistema tão diverso quanto o Brasil. As Chapadas são típicas formações geográficas brasileiras que se caracterizam por áreas planas no alto de serras, regiões enriquecidas por rios, cachoeiras, grutas, lago e vistas estonteantes…verdadeiros paraísos do ecoturismo.

Espalhadas por diversos cantos do país, as Chapadas são ótimos destinos para quem quer viajar mais, e podem ser visitadas até mesmo em feriados prolongados. Confira nossa lista de 7 Chapadas brasileiras, descubra os encantos de cada e escolha uma para você conhecer ainda este ano!

1. Chapada Diamantina (BA)

A Chapada baiana é uma das maiores e mais importantes. A vista do Morro do Pai Inácio não só é o cartão postal da região, como um exemplo do conceito geográfico de Chapada. Do Vale do Cercado é possível avistar o icônico Morro do Camelo – uma pedra que, com certa imaginação, lembra o animal desértico que lhe dá o nome.

Os poços e cachoeiras da região são cristalinos e refrescantes, embora nem sempre seja possível se banhar, já que alguns têm o acesso proibido. Muitos, no entanto, podem oferecer um delicioso banho acompanhado de uma vista ampla das montanhas, como o Vale do Capão, ou um mergulho em águas cristalinas e de intenso azul, como a Gruta da Pratinha.

Também merecem destaque a comprida Cachoeira da Fumaça, o Poço Encantado e a Gruta Torrinha, assim como atrações urbanas como a Galeria Arte & Memória, em Igatu, e os centrinhos de Lençóis e Vale do Capão. Se tiver mais tempo, a dica é fazer a trilha do Vale do Pati e ficar na casa dos nativos da região, bem no meio do vale.

Como e quando visitar a Chapada Diamantina

Muitas cidades da região servem como cidade base, mas Lençóis, Vale do Capão, Palmeiras, Andaraí, Igatu e Guiné são as mais procuradas. A forma mais rápida de chegar é pegando um voo para o pequeno aeroporto de Lençóis; mas, para economizar, considere chegar pelo aeroporto de Salvador, alugar um carro na capital baiana e pegar a estrada até Lençóis, cerca de 5h de carro.

É possível visitar o ano inteiro, mas, entre novembro e janeiro, os maiores percalços são trilhas um pouco enlameadas pelas chuvas de verão e o risco de tromba d’água.

2. Chapada dos Guimarães (MT)

A apenas 75km de Cuiabá, a Chapada dos Guimarães (nome também da principal cidade base) é a de mais fácil acesso entre as Chapadas brasileiras. Essa facilidade, aliada ao fato de ser uma das menores do país, faz dela o destino ideal até para um final de semana.

A enorme Cascata Véu da Noiva é considerada uma das 8 das mais belas cachoeiras do mundo e é a principal atração da região – vale a pena admirá-la de cima, do mirante, e de baixo, neste caso percorrendo uma trilha.

Enquanto o Morro de São Jerônimo e a Caverna Aroe-Jari, que guarda a bela Lagoa Azul, agradam apenas os olhos, a Cachoeira da Martinha é ideal para um mergulho e por isso pode estar lotada (às vezes os cuiabanos fazem um bate volta na região da Chapada para se refrescar).

Como e quando visitar a Chapada dos Guimarães

Para chegar de avião, pegue um voo para Cuiabá. É bem fácil de ir do aeroporto direto para a cidade de Chapada dos Guimarães, até mesmo de ônibus. É possível visitar no ano inteiro, mas alguns passeios podem ser prejudicados na época chuvosa (de dezembro a fevereiro) e no auge do inverno (julho e agosto) já que as temperaturas baixam bastante.

3. Chapada das Mesas (MA)

Quase limite com o estado de Tocantins, a Chapada das Mesas foi recentemente descoberta pelo resto do Brasil como um paraíso turístico, mas já é bem aproveitada pelos maranhenses e tocantinenses há um bom tempo.

O Morro do Chapéu é o símbolo da Chapada e um grande exemplo de como a erosão do vento age nesse tipo de geografia: seu topo extremamente reto parece ter sido construído por um habilidoso engenheiro.

Além de passear pelo Rio Tocantins para ter amplas vistas da Chapada, é imperdível conhecer a Cachoeira do Santuário e o Encanto Azul, de águas azuis tão cristalinas quanto as praias do Caribe. Também merecem destaque a volumosa Cachoeira de São Romão e o Portal da Chapada, onde há uma fenda que lembra o formato do Tocantins.

Como e quando visitar a Chapada das Mesas

Duas cidades próximas à Chapada possuem aeroportos, portanto basta pesquisar por voos para Araguaína (TO) e voos para Imperatriz (MA). Mas, para quem tem tempo, as boas estradas da região possibilitam uma viagem agradável de Palmas (TO) ou Teresina (PI) (respectivamente 7h e 10h), até as cidades que concentram atrações, Carolina e Riachão. Devido ao calor excessivo da região e à frequência de chuvas no verão (que pode ocasionar o fenômeno da tromba d’água), o período ideal é de maio a setembro.

4. Chapada dos Veadeiros (GO)

Localizada no nordeste de Goiás, a Chapada dos Veadeiros é uma das mais conhecidas e rica em atrações. O Vale da Lua, por exemplo, é uma das áreas mais famosas, graças às suas rochas, esculpidas pelo rio, que se parecem com crateras lunares. Também é indispensável conhecer o místico Jardim de Maytrea, especialmente no pôr do sol.

Entre muitas cachoeiras, destacamos: a Santa Bárbara, pelas águas azuis cristalinas, a Rei do Prata, pela incrível água verde-esmeralda, as do Rio Macaquinhos, pelas hidromassagens naturais, a Almecegas I, pela grandiosidade, a Almecegas II, pelo banho delicioso, e a do Rio dos Couros, pelo visual diferenciado.

Como e quando visitar a Chapada dos Veadeiros

A forma mais fácil é viajar para o aeroporto de Brasília e alugar um carro na capital do Brasil. Outra alternativa é chegar de ônibus até as “cidades base” da região (expressão que, ao longo da lista, se refere às cidades de melhor infraestrutura e com agências que organizam passeios para quem não estiver de carro): São Jorge, Alto Paraíso e Cavalcante.

Viajar na época de chuvas (entre outubro e março) não invalida a visita, mas pode complicar um pouco em função da grande quantidade de chuvas nas cabeceiras dos rios, o que pode causar o fenômeno da tromba d’água, quando as águas descem com muita força, levando com uma força brutal tudo que há nas margens dos rios.

5. Chapada do Araripe (CE)

A Chapada do Araripe é uma das menos conhecidas do Brasil, o que não quer dizer que não tenha atrações, como a Floresta do Araripe. Os campos verdes com morros chapados podem ser avistados de mirantes, como o de Santana do Cariri, de onde é possível perceber porque a região é considerada um pulmão para o sertão.

Essa Chapada é perfeita tanto para quem procura atividades ligadas ao ecoturismo, como caminhadas e ciclismo, quanto para quem deseja sossego. A região também abriga um importante sítio arqueológico – conhecê-lo é entrar em contato com o Brasil pré-histórico.

Como e quando visitar a Chapada do Araripe

As principais atrações estão próximas das cidades de Crato e Barbalha, mas é possível se hospedar até em Juazeiro do Norte, que possui aeroporto e fica a apenas 1h da Chapada. Como a região não recebe turismo muito intenso, não há muitas agências organizando passeios até lá, portanto a melhor forma de visitar tudo é alugando um carro em Juazeiro do Norte. O clima por lá é quente e árido, então convém evitar os meses de verão intenso (de dezembro a fevereiro).

6. Chapada do Guarani (SP)

O estado de São Paulo também tem a sua Chapada, que abrange 6 municípios. A cerca de 300km da capital, é o destino de amantes dos esportes de aventura e dos que procuram sossego.

Por estar acima do Aquífero do Guarani, uma das maiores reservas de água subterrânea do mundo, possui diversos rios e cachoeiras, como a da Bocaina e a Salto Major Levy. Já o Morro do Cuscuzeiro, de formato curioso que lembra um vulcão, pode ser admirado pelos sossegados e escalado pelos aventureiros.

Como e quando visitar a Chapada do Guarani

A cidade de Analândia é a principal base da Chapada por abrigar o Parque Ecológico da Ponte Amarela, mas São Pedro e Brotas são as referências para esportes. É possível chegar de carro da capital paulistana e é melhor evitar de janeiro a fevereiro, pelas chuvas e possibilidade de tromba d’água, e junho a agosto, pelo frio.

7. Chapada dos Parecis (MT)

Mato Grosso não possui apenas uma Chapada incrível, mas duas! Além da Chapada dos Guimarães, há a Chapada dos Parecis, quase na divisa com a Bolívia, um paraíso de cachoeiras e rios habitado há séculos por povos indígenas. Visitar a Chapada não é apenas deliciar-se com a natureza, mas conhecer os povos originários do Brasil, já que a região tornou-se uma das áreas em que a FUNAI autoriza visitas a aldeias.

Além dos povoados indígenas, os grandes destaques da região são a Cidade de Pedra – região típica de Chapada que aglomera rochas de formatos diferenciados –, o Rio Verde, as belas lavouras de algodão e girassóis, e as gigantes cachoeiras Salto Belo e Salto Utiariti – entre as maiores do Estado do Mato Grosso.

Como e quando visitar a Chapada dos Parecis

A cidade de Campo Novo do Parecis, principal cidade base, está a quase 400km de Cuiabá, e há uma linha de ônibus entre as duas, nada muito rápido (8h); mais rápido é alugar um carro em Cuiabá (5h30). É possível visitar quase o ano todo, embora entre dezembro e janeiro a chuva pode atrapalhar um pouco as trilhas, além de haver o risco de tromba d’água.

Encontre voos para esses destinos de aventura agora mesmo!