Noticias 10 experiências imperdíveis para viver na Floresta Amazônica, a maior do mundo

Todos os artigos

10 experiências imperdíveis para viver na Floresta Amazônica, a maior do mundo

A Amazônia parece um lugar mitológico e distante da nossa realidade, não é? Viaje para o Norte, descubra cidades e vivencie experiências na floresta!

A Amazônia é a terra dos superlativos! Essa não é apenas a maior floresta tropical do mundo, mas é também o mais rico meio ambiente da Terra. A bacia do rio Amazonas é a maior bacia fluvial do mundo e o rio Amazonas em si, o mais caudaloso do planeta. Já deu pra entender, né?

Como era de esperar, tanta mata e tantos rios resultaram em algumas das paisagens mais icônicas do planeta (olha o superlativo aí de novo!). Somado a misturas de culturas – indígena, portuguesa e africana –, temos então um lugar único.

Para nossa sorte, parte da imensidão da Floresta Amazônica pode ser vista de perto. Basta voar para alguma das capitais do Norte e se aventurar em meios aos rios que cortam a região e ditam o fluxo de toda a vida que existe por lá.

Nesse post você vai entender porque fazer uma viagem para a Amazônia e conferir sugestões de experiências inesquecíveis para vivenciar na floresta.

Por que viajar para a Amazônia?

Dá para acreditar que a Amazônia ocupa 55% do nosso território? Pois é, nove estados do Brasil estão inseridos nesse bioma: Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Pará, Tocantins e oeste do Maranhão.

Viajar para qualquer destino dessa porção geográfica já é abrir os olhos pra um país bem diferente. A história da Amazônia, e dos estados do Norte como um todo, raramente é tratada em sala de aula.

Saiba mais sobre turismo sustentável e proteja a natureza!

Essa é a chance de aprender in loco sobre a pluralidade de tribos indígenas, sobre o sofrido processo de colonização e sobre acontecimentos mais recentes, como o Ciclo da Borracha e a Transamazônica. É oportunidade de aprender sobre a resistência do povo original da floresta.

Esse é também um excelente momento para se desconectar e praticar o JOMO, de se tornar adepto do slow travel e do turismo sustentável.

Sabemos que, ao final de qualquer experiência de viagem na Amazônia, você se sentirá mais conectado com a diversidade do Brasil como um todo. E não só em termos de território, mas acima de tudo, de gente. Partiu?

O que fazer na Amazônia

1. Conhecer as duas grandes capitais: Manaus e Belém

É provável que sua chegada à Amazônia seja por uma das duas principais capitais do Norte. Mais do que portas de entrada, Manaus e Belém são cidades grandes, vivas e repletas de atrativos – com 2,1 milhões e 1,4 milhão de habitantes, respectivamente.

O Ciclo da Borracha deixou marca em ambas, algo percebido na grandiosidade das construções da época. Mas legado histórico todas as cidades têm, certo? O que diferencia Manaus e Belém das demais capitais é o protagonismo dos rios e a proximidade com a Floresta Amazônica.

Dizem existir uma rivalidade entre Manaus e Belém – como existiria entre Rio e São Paulo. Que tal visitar as duas cidades e decidir qual é a sua preferida?

2. Fazer uma imersão na Floresta Amazônica – em hotéis e em comunidades

O turismo sustentável é (ou deveria ser) uma grande preocupação em destinos como a Amazônia. Respeito pela natureza e pela população local exige um pouco de consciência, certo? Por isso, escolher uma experiência de imersão na selva exige muita cautela.

Os famosos hotéis de selva costumam ser a escolha de quem busca por uma imersão “soft”, ou seja, relativamente próximo da cidade e com conforto. A programação inclui passeio de barco, visita a comunidades ribeirinhas e observação de animais de hábitos noturnos.

Alguns dos hotéis de selva na Amazônia mais famosos e tradicionais são:

Você quer a experiência de imersão? Nesse caso, busque pelas iniciativas de turismo de base comunitária. Existe até um hotel de selva de excelência que segue essa proposta: o Uakari Lodge, em Tefé. Gestão compartilhada, geração de renda para a comunidade local e estrutura sustentável são seus diferenciais – tanto que está na nossa lista de nossos hotéis sustentáveis no Brasil.

Existe ainda a possibilidade de se hospedar nas próprias comunidades ribeirinhas. Para isso o mais fácil é contratar pacotes com agências de turismo de base comunitária ou de ecoturismo. Aqui vão algumas dicas: Braziliando, Estação Gabiraba, Vivalá, Vivejar, Turismo Consciente e Uika.

3. Viajar de barco pela Amazônia

Na Amazônia, os rios são as estradas e as distâncias são contadas em dias. Uma imersão de verdade por essa região exige pelo menos uma viagem de barco. Pode ser feita como passeio, pelas agências de turismo receptivo, ou mesmo em cruzeiro, a versão 5 estrelas da experiência.

Nós recomendamos que você viaje como a população local, ou seja, tomando um barco no porto, como quem pega um ônibus em uma rodoviária. Quem encara essa “versão raiz” da aventura conta que a recompensa está na troca proporcionada pelo diálogo com pessoas de realidades tão diferentes.

O percurso completo feito pelos mochileiros mais entusiasmados costuma ser Manaus-Belém: 1.600 Km de distância em 5 dias de navegação. No sentido contrário, Belém-Manaus, a viagem leva 6 dias por causa do fluxo das águas.

Se 5 ou 6 dias em um barco parece tempo demais, você pode encarar viagens menores, apenas para ter a experiência. A viagem Manaus – Parintins dura em torno de 18h e a viagem Manaus – Santarém, 30h, por exemplo.

4. Experimentar a culinária local

Em qualquer lugar do mundo, a gastronomia faz parte da experiência. Na Amazônia, faz ainda mais. Isso porque grande parte dos pratos consumidos são preparados com alimentos que só existem aqui. Da comida de rua ao restaurante sofisticado: prepare-se para novos sabores.

Um deles, no entanto, é bastante conhecido entre todos os brasileiros: a mandioca. Aqui é alimento básico, consumido como tapioca, farinha, caldo, cozidos e muitos outros pratos. Existem ainda peixes (tambaqui e pirarucu), frutas (cupuaçu, tucumã e banana-pacová), sorvetes, temperos e por aí vai…

Dica da Aline

Se culinária for motivo central da viagem, passe mais tempo a Belém. A capital paraense é conhecida pela mistura de influências: base indígena, com toque africano e português. Os sabores são tão bons que Belém detém o título de Cidade Criativa da Gastronomia, concedido pela Unesco.

5. Tomar banho de cachoeira em Presidente Figueiredo

Quem não dispensa um bom banho de cachoeira precisa visitar Presidente Figueiredo, a 130 Km de Manaus. Dizem existir mais de 100 quedas d’água por lá! Você pode fazer um bate-volta a partir da capital (com agência ou por conta) ou, então, ficar 2-3 dias aproveitando a vida mansa.

Todos os passeios levam às mesmas cachoeiras – Iracema e Santuário. Na maioria das vezes, inclui também visita à Caverna do Maraoga e à Gruta da Judeia. É realmente imperdível! Para ficar mais dias, é melhor alugar um carro em Manaus e, assim, ter autonomia para conhecer outras cachoeiras.

6. Aventurar-se pelo Parque Nacional de Anavilhanas

Dentre tantos parques nacionais para visitar no Brasil, esse é o que não pode passar batido na sua visita à Amazônia. Nova Airão, a cidade que dá acesso às atrações naturais do Anavilhanas, está a 180 Km de Manaus. Você pode fazer um bate-volta ou se hospedar por lá – num hotel comum ou num hotel de selva.

O Anavilhanas, banhado pelas águas do rio Negro, se transforma de acordo com a estação. Na cheia (entre março e agosto), as florestas alagam e, na seca (entre setembro e fevereiro), surgem as praias. Já as trilhas e a interação com os botos são programas para o ano todo.

7. Participar do Festival de Parintins

Você sabia que o Festival de Parintins é uma das maiores manifestações culturais do Brasil? Aqui a rivalidade é grande: ou se torce pro boi Garantido (vermelho) ou pro boi Caprichoso (azul). O desfile com toadas, danças, carros alegóricos e muita torcida é espetacular e diferente de tudo que você já viu.

O festival acontece no último final de semana de junho e dura três dias. Como os desfiles são diferentes, é melhor assistir a todos. Os ingressos, vendidos com meses de antecedência, se esgotam rápido. É preciso planejamento para ver ao vivo esse espetáculo que diz tanto sobre a Amazônia.

8. Nadar no rio Tapajós em Alter do Chão

O rio Tapajós nasce no Mato Grosso, corta parte do Pará e deságua no rio Amazonas, em Santarém. Poucos quilômetros antes desse encontro, o Tapajós é o grande protagonista do que fazer em Alter do Chão, o charmoso vilarejo de 6 mil habitantes que ganhou fama nos últimos anos.

Para desfrutar das águas cristalinas do Tapajós será preciso vir na época da seca, entre agosto e dezembro, quando as praias vão surgindo. Dá para combinar os banhos de rio com passeios em porções locais da Floresta Amazônica e visita às comunidades ribeirinhas. Viagem completinha!

9. Avistar búfalos na Ilha do Marajó

Lembra dos rios que se encontram em Santarém? É na Ilha do Marajó que o Amazonas deságua no mar. Na maior ilha fluvio-marítima do mundo dá para aproveitar várias praias, fazer trilha no mangue, andar de barco pelos igarapés e conhecer o jeito milenar que a cerâmica é feita por lá. Mas e os búfalos?

Esses animais são vistos por todos os lados na ilha do Marajó. São tantos que até a polícia os “utiliza” para patrulhar as ruazinhas das cidades. Como era de se esperar, os búfalos fomentam também a economia local. Você pode provar a carne e o queijo (de preferência, juntos), comendo o famoso filé marajoara.

10. Fazer o trekking até o Monte Roraima

Todo bom trilheiro que se preze já sonhou em subir o Monte Roraima! A icônica formação rochosa, na divisa entre Brasil, Guiana e Venezuela, a 2.800m de altitude, está localizado em um lugar de difícil acesso. E é justamente esse o segredo de tanta beleza!

Gosta de trilhas? Veja dicas para suas próximos trekkings!

Como não é possível fazer o percurso sozinho, você vai precisar contratar uma agência de viagens especializadas. A maioria dos pacotes para o Monte Roraima são de 7 dias. Você vai passar uns 4 dias caminhando e deparando com paisagens únicas e de tirar o fôlego. Garantimos: vale a pena.

Encontre voos para a Floresta Amazônica e comece sua aventura!

Fique por dentro das promoções de passagens aéreas nacionais e assine o nosso alerta de preços para encontrar o voo mais barato para qualquer destino!