Noticias Destinos remotos no Brasil e no mundo

Todos os artigos

Destinos remotos no Brasil e no mundo

Escolhemos destinos remotos no Brasil e no mundo para inspirar você a pensar para onde ir no pós-pandemia.

Planejar futuras viagens é o que podemos fazer nesse momento. Enquanto seguimos longe da estrada, resta pensar em lugares para relaxar, nada melhor do que ampliar horizontes e incluir destinos remotos – no Brasil e no mundo.

Nós sabemos que viajar está especialmente difícil nesse momento. Mas enquanto atualizamos as informações sobre o coronavírus, nós queremos continuar inspirando novas viagens. Assim, podemos saber que, quando o mundo voltar a abrir as portas, você estará pronto.

Aqui estão algumas sugestões de destinos remotos, separadas por categorias, para você incluir na sua lista de viagens.

1. Florestas mais remotas

Amazônia

Como falar em lugares remotos no Brasil e não lembrar imediatamente da Amazônia? Mas esse é um bioma que ocupa 55% do nosso território, e não um destino em si. Portanto, você não pode visitar um único lugar, mas sim viver diferentes experiências na Floresta Amazônica.

Uma viagem que contempla múltiplas experiências é navegar de barco pelas águas do Rio Amazonas – seja em direção a Belém, a rota mais conhecida, seja rumo a Tabatinga, no sentido contrário. Movendo-se por aqui você vai ter uma amostra do que é viver em um destino remoto de verdade.

Monteverde (Costa Rica)

Já faz tempo que o país Rica vem despontando no ecoturismo graças às excelentes medidas de sustentabilidade – destino ideal para praticar o JOMO. Existem inúmeras razões para visitar a Costa Rica e, quando o assunto é floresta, Monteverde é o destino.

No entorno dessa cidade estão duas importantes áreas florestais, a Reserva Biológica Bosque Nuboso Monteverde e o Bosque Nuboso de Santa Elena. As florestas nubladas são típicas do país e recebem esse nome em função dos altos níveis de umidade capazes de geral uma biodiversidade acima da média.

2. Desertos mais remotos

Dunas do Rosado (RN)

Deserto mesmo não existe no Brasil. Nenhum lugar no nosso território reúne as características necessárias, especialmente os baixos índices de chuva. Se pensarmos em “deserto” apenas como aquela imensidão de areia, aí não faltam lugares! E um destino assim, desconhecido e remoto, são as Dunas do Rosado.

As dunas, resultado da erosão das falésias do entono, assumem diferentes tons dependendo da incidência da luz do sol. Para conhece-las você precisa ir a Ponta do Mel, a 230 Km de Natal. Esteja com o preparo físico em dia para subir e descer pelas areias, já que passeios de buggy são proibidos.

Deserto de Tatacoa (Colômbia)

Ao pensar na Colômbia é provável que você logo se lembre das grandes cidades e das praias no Caribe. Mas o país também abriga alguns destinos inusitados da América do Sul, como o Deserto de Tatacoa. Essa região árida, a 350 Km de Bogotá, está aos pés da pequena Villavieja.

Os atrativos aqui são mais modestos, especialmente se comparados com o Deserto do Atacama, por exemplo. Em compensação, passeios, alimentação e hospedagem são infinitamente mais baratos. O calor é tanto que uma das atrações é uma piscina em meio ao entorno rochoso e acinzentado. Genial!

3. Trekking mais remotos

Monte Roraima (RR)

É fácil entender que ainda existam destinos incríveis e poucos conhecidos no Brasil. Muitas vezes, o isolamento é o motivo principal. É o caso do Monte Roraima, na tríplice fronteira entre Brasil, Guiana e Venezuela, que detém o título de maior tepui do mundo – espécie de “montanha em formato de mesa”.

Tem que gostar de aventura e trilhas para encarar a viagem! É preciso voar até Boa Vista, seguir de carro até a fronteira com a Venezuela, contratar uma agência e, finalmente, fazer o trekking. Entre ida e volta serão pelo menos sete dias em meio à natureza exuberante da região.

Ausangate (Peru)

Dá para acreditar que seja possível realizar um trekking em um destino remoto, mas justamente na região de Cusco? Pois é, esse é o caso da trilha que circunda o Ausangate que, com seus 6385m de altitude, é o ponto mais alto da Cordilheira Vilcanota, nos Andes peruanos.

É preciso contar com bom condicionamento físico, ter se acostumado à alta altitude e contratar guia para todo o percurso; normalmente a caminhada leva 5-6 dias. A recompensa é a paisagem: vales, montanhas e lagoas. Muitos trekkings incluem Vinicunca, as montanhas coloridas do Peru, como ponto de parada.

4. Ilhas mais remotas

Ilha do Bananal (TO)

Quando o assunto é ilha remota e pouco conhecida no Brasil… a resposta pode ser Ilha do Bananal. E essa não é qualquer ilha, mas sim a maior ilha fluvial do mundo! Cercada pelos rios Araguaia e Javaés, a ilha está no Tocantins, a 220 Km de Palmas, próximo à divisa com Mato Grosso e Goiás.

O diferencial desse lugar em relação a outros tantos destinos de ecoturismo no Brasil é a fusão entre Cerrado e Amazônia que, como era de se esperar, resulta em uma rica diversidade. Por causa disso, a observação de aves e a pesca esportiva são atividades bastante procuradas.

Ilha de Páscoa (Chile)

Imagine que é necessário percorrer 3.700Km pelo Oceano Pacífico, em cerca de 6h de voo, para chegar a Ilha de Páscoa partindo de Santiago. Essa é mesmo uma das ilhas mais isoladas do mundo. Sua fama está especialmente ligada às misteriosas estátuas, chamadas de Moais.

Visitar os diferentes sítios arqueológicos certamente é o que te motivará a vir até esse destino remoto. Porém, as outras atrações da ilha, como os vulcões inativos e as praias, contribuirão para enriquecer as experiências da viagem. Não à toa esse é um dos lugares imperdíveis do Chile.

5. Cavernas e grutas mais remotas

Parque Nacional Cavernas Peruaçu (MG)

É impressionante pensar que ainda existam lugares com a importância do Peruaçu a serem “descobertos” pelo turismo no Brasil. Esse parque nacional foi criado em 1999, mas abriu para visitação somente em 2014. Ainda é pouco conhecido em comparação com outros, mas não por falta de atrativo.

A arte rupestre e a formação geológica, com direito a cavernas, grutas e janelões, são as atrações principais. E é aqui que está a Perna da Bailarina, a maior estalactite do mundo! Não fosse a localização remota – norte de Minas Gerais, a 170Km de Montes Claros – com certeza receberia mais visitantes.

Parque Nacional Grutas de Cacahuamilpa (México)

Apesar de nos lembrarmos imediatamente de Cancún, nem só de Caribe mexicano vive o país. Quem visita a Cidade do México pode encaixar a ida a esse magnífico parque nacional se a ideia foi incluir “destino remoto e pouco conhecido” no roteiro da viagem. As grutas são disparadas a principal atração!

Os visitantes, ao percorrer os 2Km de extensão em 19 salões amplos e bem iluminados, veem inusitadas e incríveis formações rochosas. Aos mais aventureiros interessa saber que agências da região oferecem passeios de caiaque pelo rio subterrâneo.

Descubra para onde você pode ir

Fazendo planos para quando puder sair de casa? Confira o nosso mapa global interativo e descubra quais fronteiras estão abertas. Aproveite e inscreva-se para receber atualizações por email assim que seus destinos de interesse reabrirem.

Quer ler mais?